Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Alergia ao látex causa ressecamento e irritação da área afetada


08/04/2015


Entenda como é feito o diagnóstico e quais os tratamentos do problema

A alergia a látex é definida como uma reação imunológica contra as partículas do látex da borracha natural após sensibilização prévia. É preciso, portanto, haver um contato anterior para que ocorra a reação.

Segundo dados da literatura mundial, estima-se que a prevalência da alergia a látex na população seja menor do que 1%. Nas populações de risco, como profissionais de saúde expostos a luvas de látex, pacientes com Espinha bífida e indivíduos submetidos a cirurgias precocemente e repetidamente, essa prevalência pode chegar a 36% a 72% respectivamente.

O látex natural utilizado na indústria é quase que exclusivamente extraído de uma planta chamada Hevea brasilienses. O látex é um composto proteico, tendo sido identificados até o momento 14 alérgenos. Há três grupos de risco para o desenvolvimento de alergia a látex:


- Adultos que trabalham em áreas com elevada exposição das proteínas do látex. Exemplos: dentistas, cirurgiões, anestesistas, profissionais que trabalham em áreas de cuidados intensivos. Esses profissionais trocam de luva muitas vezes ao dia, aumentando o risco de sensibilização e desenvolvimento da reação alérgica. Trabalhadores da indústria da borracha também apresentam aumento da prevalência de alergia ao látex

- Pacientes que necessitam de manipulações cirúrgicas. como neuropatas e nefropatas. Indivíduos com doenças com alteração de fechamento do tubo neural (mielodisplasia) como mielomeningocele e espinha bífida

- Pacientes que apresentam doenças atópicas (asma, rinite alérgica, dermatite atópica e alergia alimentar/síndrome látex-fruta).


A reação mais comum aos produtos contendo látex, especialmente em usuários de luva, é o ressecamento e a irritação na área que teve contato, denominada ?Dermatite irritativa?. É uma reação não imunológica causada pela lavagem repetitiva das mãos com sabões ou detergentes, podendo através do talco da luva ou do pó do látex se tornar a porta de entrada para a sensibilização do látex. Existem dois tipos de reações imunológicas à borracha: natural são do tipo I (mediada por IgE) e reações imediatas ou do tipo IV (mediadas por linfócitos), relacionadas aos aceleradores da vulcanização (tiurans, carbamatos, mercaptomix) e antioxidantes (hidroquinona e parafenilenodiamina) adicionados ao látex.


Para que ocorra a reação tipo I é necessária uma sensibilização prévia, ou seja, o paciente deve apresentar anticorpo da classe IgE específico para pelo menos 1 dos antígenos do látex. A sensibilização ocorre quando há contato com material contendo látex, especialmente luvas ou até inalação de partículas aerossolizadas.


O paciente apresentará sintomas imediatos após contato com produtos contendo látex, como conjuntivite alérgica, rinite alérgica ou asma. Pode apresentar urticária de contato com coceira e formação de placas com vermelhidão no local. As reações podem ser leves ou até potencialmente fatais como anafilaxia. As reações mais graves com urticária extensa, crise de asma grave, hipotensão e choque são relacionadas com contato do látex por via parenteral ou através das mucosas, devendo receber atendimento rápido.


Para que ocorra a reação do tipo IV é necessária a sensibilização prévia e os sintomas iniciam-se 48 a 72 hs após o contato com o alérgeno. A reação acontece devido a adição de antioxidantes e aceleradores na produção do látex. A maioria dos pacientes apresenta dermatite de contato nas mãos relacionada com a utilização de luvas (pode apresentar vermelhidão, vesículas, crostas, descamação e coceira). Reação com preservativos pode acontecer também, nesse caso no local de contato com o mesmo pode haver coceira, vermelhidão, descamação. Alternativa para esta questão é a utilização de preservativos sem látex.


Há também a síndrome Látex-fruta, caracterizada pela associação de sintomas de alergia após contato com o látex e alguns alimentos de origem vegetal. O látex e alguns alimentos apresentam reação cruzada. O anticorpo contra um alérgeno reage em relação a outro alérgeno de origem diferente. Os alérgenos com reação cruzada tem similaridade de 70%. Alimentos mais comuns relacionados: Kiwi, maracujá, abacate, mandioca, batata e banana.

• Diagnóstico

O diagnóstico de alergia ao látex se baseia na história clínica detalhada e alguns testes diagnósticos. Para detecção de reação tipo I, pode ser feito:

- Teste cutâneo de hipersensibilidade imediata ou de puntura
- Dosagem de IgE sérica específica contra o látex (Immunocap).

Para detecção de reação tipo IV, pode ser feito:

Também existem novos testes, como o ImmunoCAP ISAC. Quando nenhum teste é confirmado, pode ser realizado um teste de provocação cutânea ou teste do uso de luva (use- test) em ambiente preparado para atender uma possível reação anafilática.


• Tratamento

O paciente deve ter um plano de ação para situações de emergência, além de ser orientado de forma clara para evitar o látex. Luvas de látex podem ser substituídas por luvas de nitrilo ou silicone, assim como preservativos sem látex. Em caso de cirurgia dar preferência para salas cirúrgicas látex-free. Ficar atento para contato com balões de festa e produtos contendo látex em dentistas e médicos.

Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato