Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Hipertensão na terceira-idade pede cuidados especiais


30/05/2015


Uso de medicamentos e controle da pressão arterial devem ser acompanhados de perto

Hipertensão arterial ou pressão alta é um dos maiores problemas de saúde pública no Brasil e no mundo, em virtude da alta prevalência e das complicações. Hoje, é a principal causa de morte no mundo! De imediato, vale lembrar que há um grande aumento no número de idosos na população mundial. No Brasil, a partir de 2016, há indícios de mais idosos do que jovens na estratificação da pirâmide social. Por este prisma, a prevenção e o combate à hipertensão, recomendada para todas as idades, inclusive crianças e adolescentes, merece ainda mais atenção com o avançar da idade, pois entre adultos acima dos 45 anos idosos os riscos da doença são maiores.

Caracterizada pelo aumento da pressão do sangue contra a parede das artérias, a hipertensão não tem cura, mas pode ser tratada, evitando complicações. Silenciosa, geralmente sem apresentar sintomas, a hipertensão requer atenção aos sinais, como dor de cabeça e/ou dor na nuca, zumbido no ouvido, sangramento no nariz, dor no peito, fraqueza e tontura e visão embaçada.

A hipertensão arterial sistêmica (HAS), doença multifatorial, tem detecção tardia, justamente por ser assintomática. Entre os idosos, é uma das mais prevalentes na prática clínica e um dos principais fatores de risco para morbimortalidade cardiovascular - cerca de 60% em diversos países desenvolvidos, bem como em nações latino-americanas. No Brasil, atinge aproximadamente 30 milhões de pessoas, sendo que 50% destes são assintomáticos.

É ainda alto o índice de hipertensão em pessoas com obesidade, com associação ou não recorrente de fumo, estresse, diabetes, consumo de bebidas alcoólicas, colesterol alto, má alimentação e consumo exagerado de sal. Particularmente, também acomete mulheres grávidas.

Para prevenir e controlar a pressão alta é preciso manter o peso ideal, praticar atividades físicas, ter hábitos saudáveis e verificar a pressão pelo menos uma vez ao ano. Quem já é hipertenso precisa manter a pressão sob controle (inferior a 13,5/8,5) e realizar exames periódicos com um cardiologista.

Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato