Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer


+ mais   


Cientistas podem ter descoberto vacina contra o câncer de mama


18/08/2015


Vacina seria utilizada quando não é possível tratar com quimioterapia, radioterapia ou cirurgia

Cientistas da Universidade de Nottingham Trent identificaram uma proteína que está presente em tumores no seu estágio inicial que, dentre outras funções, pode representar uma vacina contra o câncer.

Os pesquisadores entendem que podem descobrir se a pessoa terá um tratamento de sucesso contra o câncer usando a quimioterapia ou radioterapia ao analisar se uma proteína, denominada HAGE, está presente nos tumores. Se não estiver presente, eles acreditam que podem, com um procedimento simples, estimular a proteína a desenvolver anticorpos contra o câncer - vacinando os pacientes contra a doença.

A vacina seria especialmente benéfica para pessoas com o tipo triplo negativo de câncer de mama, que é o tipo mais difícil para tratar, com grande letalidade, e que atinge cerca de 12% do total de pessoas diagnosticadas com a doença.

Os cientistas acreditam que a vacina irá para a etapa de testes clínicos em dois anos, o que revolucionaria por completo o tratamento. Eles estão bastante otimistas com relação ao resultado e à possibilidade de diminuir os óbitos acarretados pelo câncer.
O que é o tipo triplo negativo de câncer de mama?

O triplo negativo, ou carcinoma inflamatório, raramente apresenta receptores hormonais, ou seja, não está ligado à fabricação de hormônios pelo organismo como a maior parte dos cânceres de mama. Ele é a forma mais agressiva da doença e também a mais rara. O carcinoma inflamatório se apresenta como uma inflamação na mama e frequentemente tem uma grande extensão. O câncer de mama do tipo inflamatório também começa nas glândulas que produzem leite. As chances dele se espalhar por outras partes do corpo e produzir metástases são grandes.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato