Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Portadores do vírus da hepatite C estão à espera da cura da doença


07/10/2015


Pacientes cobram medicamentos já aprovados pela Anvisa que evitam transplante

Em 2000, antes mesmo de engravidar dos seus dois filhos, a professora de yoga Andrea Pires Soria, de 44 anos, foi diagnosticada com hepatite C. Ela não sentia nenhum sintoma e só descobriu que estava com a doença quando fez um exame de sangue de rotina.

Desde então, Andrea acompanha o avanço do vírus e o controla com um hepatologista. Hoje, ela é mais uma entre tantos outros pacientes que aguardam pela chegada de novos medicamentos na rede pública para uma possível cura da doença, que pode levar ao câncer do fígado, cirrose e morte.

Três novos remédios aprovados em julho pela Anvisa e com previsão de estar disponíveis no SUS até dezembro deste ano representam uma nova esperança para quem luta contra a doença.

Isso porque as novas medicações têm um percentual de até 90% de cura, com duração de 12 semanas e efeitos colaterais quase nulos em comparação à terapia anterior, que leva 48 semanas.

Ficar esperando é desagradável. A minha expectativa, em geral, é ficar curada, conta Andrea.

De acordo com Mário Pessoa, hepatologista da Sociedade Brasileira de Hepatologia, os medicamentos antigos estimulavam o sistema imunológico do portador a lutar contra o vírus, mas não tinham ação direta. Já os novos antivirais se acoplam ao vírus e inibem a replicação e reduzem os efeitos colaterais — os mais brandos são dores de cabeça, náusea e fadiga.

Com o novo tratamento, a chance de reduzir a lista de pessoas que aguardam por um novo fígado na fila de transplantes é alta. A ideia é tratar todos os pacientes que têm fibrose avançada, diz Pessoa.

Eu espero parar a progressão da doença em mais de 90% dos pacientes, evitando assim a necessidade de transplante ou de perda, completa.

O Ministério da Saúde, informou, em nota, que como esses produtos foram incorporados no SUS em julho deste ano, a oferta está dentro do prazo previsto (180 dias para a realização do processo de aquisição e distribuição).

O órgão também anunciou ontem um novo exame para avaliar o grau de comprometimento do fígado dos pacientes com hepatite C.


Vírus age em silêncio

Doença contagiosa causada pelo vírus C (VHC), a hepatite C é silenciosa e assintomática. Um grande número de infectados não sabe ainda que contraiu o vírus. Estima-se que haja 2,6 milhões de pessoas infectadas atualmente, mas apenas 15% são diagnosticadas e dessas 300 mil, 0,5% fazem tratamento.


Fonte: Saude iG



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato