Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Como identificar os sintomas de hipotireoidismo?


09/11/2015


Apesar de comum, os sinais podem ser confundidos com outras doenças e atrasar o diagnóstico

Em primeiro lugar, é preciso entender o que significa o termo hipotireoidismo. A glândula tireoide produz diariamente seus principais hormônios, T3 e T4, em quantidades suficientes para o bom funcionamento do organismo. O hipotireoidismo ocorre quando a tireoide, por algum motivo, passa a produzir seus hormônios em quantidades menores do que o organismo necessita.

Como os hormônios tireóideos são responsáveis, entre outras coisas, pelo aumento da velocidade das reações químicas, a carência desses hormônios resulta na diminuição da atividade do metabolismo. Isso leva ao aparecimento de vários sintomas e sinais clínicos, que podem variar em intensidade e ocorrer isoladamente ou em diversas combinações. Os principais sinais e sintomas do hipotireoidismo são:

• Alterações do ciclo e do fluxo menstrual
• Aumento da pressão arterial diastólica
• Aumento de peso
• Aumento do colesterol total e incremento do LDL colesterol
• Cabelos secos e frágeis
• Cãibra
• Cansaço
• Constipação intestinal
• Depressão
• Derrame pericárdico (acúmulo de líquido entre o coração e a membrana que o envolve)
• Derrame pleural (acúmulo de líquido entre as membranas que envolvem os pulmões)
• Diminuição da memória
• Diminuição do número de batimentos cardíacos por minuto
• Diminuição do reflexo dos tendões
• Dispneia (sensação de falta de ar)
• Dor nas articulações
• Dor muscular
• Espessamento da língua
• Fraqueza
• Inchaço de mãos, pernas e pés
• Inchaço no rosto, especialmente das pálpebras
• Intolerância ao frio
• Mãos e pés frios
• Parestesias (formigamentos)
• Pele seca, delgada, pálida ou amarelada (excesso de caroteno - carotenose)
• Piora de apneia do sono
• Queda de cabelos e/ou pelos
• Raciocínio lento
• Redução da acuidade auditiva
• Redução da transpiração
• Redução do sódio no sangue
• Rouquidão
• Sonolência
• Voz mais grave

A causa mais frequente do hipotireoidismo no Brasil é a tireoidite autoimune (tireoidite de Hashimoto), na qual o organismo produz uma reação imune contra a glândula que pode resultar na destruição progressiva da glândula. Neste caso, geralmente os sinais e sintomas aparecem de maneira lenta e gradual e, por isso, podem passar despercebidos. Manifestações comuns no início da doença, como cansaço, fraqueza, dores musculares e articulares, ganho de peso, alterações menstruais e pele seca podem ser atribuídas a outras causas. Isso contribui para retardar o diagnóstico da doença.

Outras causas comuns de hipotireoidismo são a carência de iodo na dieta, a destruição do tecido tireóideo por iodo radioativo usado para o tratamento da doença de Graves e a cirurgia de ressecção parcial ou total da tireoide, utilizada para tratar a doença de Graves ou o câncer de tireoide.

É importante ressaltar que há algumas situações que podem requerer a investigação de hipotireoidismo, tais como, em mulheres que apresentam alterações menstruais e dificuldade para engravidar, bem como nos indivíduos que exibem colesterol elevado. Como o hipotireoidismo é mais frequente em pacientes idosos, é importante valorizar a presença de sintomas de hipotireoidismo nesses pacientes. Há várias outras situações em que a investigação pode ser necessária, como, por exemplo: mulheres grávidas, história familiar de doença de tireoide, mulheres acima de 60 anos, cirurgia de tireoide prévia, tratamento prévio com iodo radioativo, presença de bócio (aumento da tireoide) etc. (Brenta et al, 2013).

O aparecimento do hipotireoidismo pode ocorrer, inclusive, nos recém-nascidos (congênito) e, neste caso, é uma das causas mais frequentes de retardo mental. As crianças e adolescentes também estão sujeitos ao desenvolvimento da doença que provoca frequentemente, além das manifestações do hipotireoidismo, a diminuição da velocidade de crescimento, diminuição do rendimento escolar e atraso no desenvolvimento sexual.

Quando há presença de sintomas e sinais clínicos, os pacientes devem ser submetidos ao exame de sangue para investigação de hipotireoidismo. Os mais importantes para confirmar o diagnóstico de hipotireoidismo são as dosagens sanguíneas de tireotropina (TSH) e tetraiodotironina livre (T4 livre). Na grande maioria das vezes, são suficientes para estabelecer o diagnóstico do hipotireoidismo (Roberts et al., 2004).

Deve-se ressaltar que é importante repetir esses exames, especialmente quando pouco alterados, para confirmar o diagnóstico da doença. A pesquisa do hipotireoidismo no recém-nascido é realizada pelo teste do pezinho.

Podem ser solicitados, também, exames com a finalidade de estabelecer a causa do hipotireoidismo. No caso da tireoidite de Hashimoto, os níveis de anticorpos antitireóideos no sangue (anticorpos antiperoxidase tireóidea e antitireoglobulina) estão aumentados na grande maioria dos pacientes. A ultrassonografia é muito útil tanto para pesquisar a causa da doença, como para descartar a presença de nódulos tireóideos.

Uma vez confirmado, o hipotireoidismo requer o início do tratamento com levotiroxina. É sempre oportuno mencionar que o hipotireoidismo não tratado durante a gestação, pois aumenta o risco de problemas para a mãe a para o feto. Entre estes problemas estão o aumento da incidência de abortamento espontâneo, parto prematuro, pré-eclâmpsia, prejuízo do desenvolvimento intelectual e psicomotor do feto.

Por fim, vale ressaltar que o hipotireoidismo é a deficiência hormonal mais comum, potencialmente séria especialmente em recém-nascidos, crianças e gestantes e, frequentemente, passa despercebida. Em contrapartida, é de fácil diagnóstico e tratamento.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato