Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Estudo usa células-tronco de dente de leite para regeneração óssea


03/08/2012


Um estudo aponta que células-tronco da polpa de dentes de leite, quando associados a biomateriais, fazem o osso crescer mais rapidamente, contribuindo para a sua reconstrução. Além disso, a técnica ainda diminui o risco de rejeição do implante. A pesquisa está sendo realizada pelo implantodontista Julio Cezar Sá Ferreira, presidente da Academia Brasileira de Osseointegração, junto da geneticista russa Irina Kerkis, diretora do Laboratório de Genética do Instituto Butantã, e com os odontólogos doutores Sérgio Jayme e Camila Oliveira, de São Paulo. De acordo com Julio Cezar, a técnica poderá beneficiar a medicina regenerativa e a engenharia de tecidos.

— Esse método pode permitir regenerar grandes defeitos ósseos com mais rapidez, custo menor e menos agressividade e sofrimento ao paciente, já que não será necessária a retirada de ossos de outras áreas do corpo para serem enxertados na área da perda óssea — afirma.

Segundo o implantodontista, a pesquisa é pioneira no mundo. Julio Cezar também foi o primeiro, há 25 anos, a realizar um implante dentário no Brasil. O paciente teve todos os maxilares implantados em uma cirurgia com anestesia geral que durou aproximadamente cinco horas, e foi realizada no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba.
— Hoje, o mesmo procedimento é realizado em, no máximo, duas horas, com anestesia local e no próprio consultório

Fonte: Um estudo aponta que células-tronco da polpa de dentes de leite, quando associados a biomateriais, fazem o osso crescer mais rapidamente, contribuindo para a sua reconstrução. Além disso, a técnica ainda diminui o risco de rejeição do implante. A pesquisa está sendo realizada pelo implantodontista Julio Cezar Sá Ferreira, presidente da Academia Brasileira de Osseointegração, junto da geneticista russa Irina Kerkis, diretora do Laboratório de Genética do Instituto Butantã, e com os odontólogos doutores Sérgio Jayme e Camila Oliveira, de São Paulo. De acordo com Julio Cezar, a técnica poderá beneficiar a medicina regenerativa e a engenharia de tecidos.
— Esse método pode permitir regenerar grandes defeitos ósseos com mais rapidez, custo menor e menos agressividade e sofrimento ao paciente, já que não será necessária a retirada de ossos de outras áreas do corpo para serem enxertados na área da perda óssea — afirma.

Segundo o implantodontista, a pesquisa é pioneira no mundo. Julio Cezar também foi o primeiro, há 25 anos, a realizar um implante dentário no Brasil. O paciente teve todos os maxilares implantados em uma cirurgia com anestesia geral que durou aproximadamente cinco horas, e foi realizada no

Hospital em Curitiba.
— Hoje, o mesmo procedimento é realizado em, no máximo, duas horas, com anestesia local e no próprio consultório.

Leia mais: www.extra.globo.com



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato