Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[19/09/2018]
Veja como usar o bicarbonato de sódio na limpeza de casa
Se você ainda não possui um saquinho de bicarbonato de sódio em casa, você deve comprar já.
[18/09/2018]
Varizes e AVC: tem relação?
Especialistas tiram dúvidas no Bem Estar.
[17/09/2018]
1 em 5 homens e 1 em 6 mulheres terão câncer em algum momento da vida
Dados são do último relatório estatístico sobre a situação do câncer no mundo, da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer.
[13/09/2018]
Manchas e rugas podem indicar como andam órgãos importantes
Algumas manchas podem indicar resistência à insulina. As rugas em fumantes podem indicar obstruções no pulmão.

+ mais   


Ministério da Saúde confirma relação entre o vírus zika e os casos de microcefal


04/12/2015


A conclusão veio após exames detectarem o agente infeccioso no sangue e em outros tecidos do organismo de um bebê que nasceu com a malformação.

Neste sábado (28/11/2015), a teoria que liga o crescente número de casos de microcefalia no Nordeste ao vírus zika foi confirmada. A comprovação veio após o Instituto Evandro Chagas divulgar os resultados de exames realizados em um bebê que nasceu com a malformação cerebral no Ceará. Em amostras de sangue e outros tecidos, foi detectada a presença do agente infeccioso, que é transmitido pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito que carrega o vírus da dengue. "Essa é uma situação inédita na pesquisa científica mundial", diz o Ministério da Saúde (MS), em nota.

Nas últimas semanas, o elo entre o zika e os casos de microcefalia tem chamado a atenção de médicos e cientistas do mundo todo. Os últimos dados do boletim epidemiológico do MS apontam que, até o dia 28 de novembro, foram identificados 1 248 casos da malformação em bebês, sendo 646 só em Pernambuco. Para efeito de comparação, o número total de notificações no país em 2014 foi de 147.

O ministério propõe que as investigações continuem a fim de esclarecer questões como a transmissão do vírus, a sua atuação no organismo humano, a infecção do feto e o período de maior vulnerabilidade para a gestante. Até agora, sabe-se que o risco é maior quando a mulher é infectada no primeiro trimestre da gravidez.


• Prevenção

É aconselhável que as gestantes se protejam usando repelentes e vestindo calças compridas e roupas de mangas longas, por exemplo. No entanto, a melhor forma de se prevenir contra o zika é combatendo o mosquito transmissor. As medidas implicam acabar com focos de acúmulo de água, que são propícios para a criação do inseto. Isso inclui não juntar água em locais como latas, embalagens, pneus velhos, vasos de plantas, caixas dágua e lixeiras.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato