Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Arroto pode ser sintoma de refluxo ou gastrite Saiba quando a eructação deixa d


08/01/2016


A eructação, mais comumente chamada de arroto, é o ato de expulsar o ar do estômago ou esôfago através da boca e, habitualmente, é um processo fisiológico. Em toda deglutição, junto à saliva, bebida ou comida, entra uma pequena quantidade de ar no trato digestivo. Ocorre geralmente como uma resposta à distensão gástrica após as refeições. Esta distensão leva a um relaxamento transitório do esfíncter inferior do esôfago (o músculo que ao ficar contraído impede o refluxo do conteúdo do estômago para o esôfago), permitindo que o ar vá para o esôfago e então seja expulso pela boca. Dessa forma, evita-se a passagem de quantidade excessiva de ar para o intestino.

A eructação só é considerada uma doença quando se torna muito frequente e incomoda o paciente. A principal causa de eructação excessiva é a eructação supragástrica, na qual o ar, que é puxado para o esôfago pela contração do diafragma e relaxamento do esfíncter esofagiano superior, é imediatamente liberado, sem chegar ao estômago. Geralmente está associado a fatores como ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo, bulimia e outras alterações do sistema nervoso central.

Outra causa comum de eructação é a doença do refluxo gastroesofágico, além de síndrome dispéptica, doença ulcerosa péptica, gastroparesia, gastrite, esofagite, neopalsia e acalásia, mas nesses casos habitualmente a eructação é apenas um entre vários sintomas apresentados. A presença de emagrecimento, pirose, dor abdominal, vômitos, regurgitação, febre e anemia são sinais de alerta para doenças orgânicas e indicam a necessidade de avaliação por um médico.

O tratamento da eructação supragástrica envolve reconhecer o problema e, em casos selecionados, ser avaliado por psiquiatra ou psicólogo. Por fim, um médico deve ser consultado se a eructação for muito frequente e causar incômodo ou se houver a presença dos sinais de alarme descritos acima.

A prevenção é feita evitando tabagismo, estresse emocional, bebidas gaseificadas, chicletes, balas e alimentos de difícil digestão, que retardem o esvaziamento gástrico, ou que relaxem o esfíncter esofagiano inferior, como alimentos gordurosos, menta e chocolate. As refeições devem ser feitas com calma e sem conversar.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato